Contratação de Daniel Alves pode impulsionar São Paulo?

daniel alves

O São Paulo concretizou nesta quinta-feira a contratação de Daniel Alves para o clube. O lateral de 36 anos, que nunca escondeu sua torcida pelo tricolor paulista, assinou contrato até 2022 com a equipe, que além de levar um dos melhores laterais direitos do mundo, ganha uma peça vitoriosa que pode impulsionar o clube em ambições maiores no ano.

O impacto que o baiano causa no São Paulo é imediato, em uma posição carente no clube. A atuação do lateral na Copa América, sendo um dos melhores jogadores da competição que culminou com o título do Brasil, comprovam a boa fase do atleta – além do bom nível jogando no Paris Saint-Germain na última temporada.

A forma do atleta poderia lhe manter em algum grande time europeu, mas pesou seu coração e o excelente contrato oferecido pela equipe paulista. Por mais que o lateral se mantenha como um dos melhores da posição no mundo, só aqui no Brasil ele conseguiria um contrato tão longo. Óbvio que sua vontade de atuar no time em que torce pesou, mas o contrato de três anos com salário aproximado de R$1,5 milhões também foi determinante.

Este tempo é justamente o que falta à próxima Copa do Mundo, uma meta em que sempre deixou clara, sobretudo diante da maneira como o defensor acabou se ausentando em 2018, por conta de uma grave lesão. Pelo profissionalismo, este sonho parece ser longe do impossível, inclusive se compararmos com seus concorrentes atuais de posição.

O São Paulo consegue tampar um grande buraco em seu elenco com a melhor peça possível. Porém, além do excelente lateral direito, também ganha um líder e atleta extremamente vencedor por onde passou. São mais de 40 títulos na carreira, o que contrasta com o momento atual do tricolor paulista, que venceu apenas um nos últimos dez anos (Sul-Americana 2012) e tenta retomar o caminho às glórias. A vinda de Dani Alves é um grande passo para isso.

A diretoria são paulina vem investindo pesado em 2019: chegaram ao Morumbi Hernanes, Tiago Volpi, Pablo, Pato, Tchê Tchê, Raniel, Marquinhos Calanzans e Vítor Bueno, nomes de potencial financeiro alto e que a torcida espera um retorno em campo. Até o momento, o clube ainda não embalou, acumulando eliminações no ano (Paulista, Libertadores e Copa do Brasil). O título do Brasileirão agora é a principal meta. Será possível?

A folha salarial do São Paulo é uma das maiores do Brasil. Talvez falte uma ou outra peça, mas o elenco é mais que qualificado para brigar pelo principal troféu nacional. Cuca é um treinador experiente, que foi campeão do torneio não faz muito tempo com o Palmeiras, em 2016 e conhece os atalhos para o sucesso.

Como principais rivais, o tricolor terá o líder Santos do excelente Jorge Sampaoli, que vem fazendo um grande trabalho com um elenco mais modesto que seus adversário – e aqui vale lembrar que o time da baixada também só tem o Brasileirão como competição até o fim da temporada; além dos “milionários” Palmeiras e Flamengo, com seus elencos fartos, mas que dividem as atenções no campeonato nacional e na Libertadores.

Com o alto investimento feito, o São Paulo tem a obrigação de estar ao menos perto destas equipes. E se depender do futebol e da liderança de Daniel Alves, ao menos a esperança voltou. A vinda de um grande campeão, para uma equipe multicampeã, mas que vive sua época de vacas magras, pode ter sido a dose certa de confiança que o clube precisava para voltar às glórias.

Você também pode gostar: